Viva e deixe viver...

Viver é como estar constantemente no "país das maravilhas", por isso estou sempre no limite da razão, porque a vida é bela, insana e incerta, e como diria um cantor: " depende de como você a vê..."

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Quando a bagunça do carro reflete a bagunça da vida...

Sempre me fascinou o fato de que a bagunça do meu carro/quarto era diretamente proporcional a bagunça da minha vida. Todas as vezes que eu me sentia afogada em trabalho e estudo, tudo ficava de pernas pro ar. E isso sempre teve uma explicação muito lógica pra mim: eu não tinha tempo. Cada segundo que gastava pra colocar a roupa no lugar era um um segundo a menos na vida, dois minutos que passava lavando o cabelo, eram dois minutos que podia estar descansando.
Toda vida fui alguém que precisava fazer mil coisas ao mesmo tempo, e talvez essa necessidade refletia algo mais profundo: uma impossibilidade de acalmar os gritos dentro de mim, então eu me distraía, preenchia o meu tempo com a vã finalidade de não prestar atenção no que meu interior falava. Pois cá pra nós, aqui dentro sempre foi uma bagunça.
E nesses dias em que a sujeira do carro refletia a sujeira da vida, aquilo começava a me incomodar e de repente eu precisava limpar e isso era como um sopro de esperança, uma certeza de que haveria um recomeço. Que talvez a limpeza exterior ajudasse a organizar a bagunça interior.
Hoje acordei com aquele incômodo que bate quando há mais sacolas e papeis no carro do que espaço pra sentar, quando a poeira do canto me parece uma camada de terra. E eu senti que a bagunça estava generalizada, arrumei o quarto porque achei que ajudaria, mas algo não estava certo. E a bagunça de dentro continuou a pulsar. E de repente me toquei que a bagunça do carro é que reflete a bagunça da vida.
E não estou particularmente pronta pra mexer nessa bagunça. Hoje acordei com preguiça do mundo, achando-me um lixo de pessoa, alguém que não merece ser feliz. E, é nessas horas que me perco.
Minha confiança inabalável de repente soa tão falso que não engana mais nem a mim. Nessas horas parece que vou desabar, pois a sujeira espalhou e não sei mais como conter.
Hoje acordei me sentindo menos. E, hoje, só por hoje o mundo não me pertence e talvez o universo conspire contra mim. Talvez seja apenas inferno astral, talvez a lua não me favoreça.
Só sei que o carro está bagunçado, desorganizado e sujo.